Novo single e videoclipe do Cacife Clandestino e Cynthia Luz com Ruas Escuras

Confere aí o videoclipe e a letra do novo som do Cacife Clan com participação de Cynthia Luz em “Ruas Escuras” do novo disco “Ouro Latino” que em breve estará nas ruas.

Letra

Letra
Cacife Clan part Cynthia Luz – Ruas Escuras

Woah, ey, woah
Medellin, Medellin
Woah
Medellin, Medellin
PEP no beat

Hey, andei nas ruas escuras
Tive na mira daquela viatura
Vejo meu nome naquelas alturas
Sempre na fé, não perco a postura
Trajei, minha armadura
Sabe que a [?] futura
Nunca confio na alma mais pura
Ódio e amor, na mesma mistura
Não, não, não, não, baby sabe eu vim do nada
Não, não, não, não, minha escolha foi vencer
Não, não, não, não, sempre por essas calçadas
Não, até o dia amanhecer

Sei que pecado não tá na armação
Campo ta minado igual Irã
Pros desafiado tenho a shotgun
Solo do inferno, montei meu clã
Sigo sempre sendo um bom vivant
O céu é nosso teto toda manhã
O que vivi cê não sabe
O que vivi cê não sabe
Sempre tô no corre garantindo minha janta
Não mudo o trajeto [?] meu mano
Quem tinha tesouro que pensa, te espanta
Antes que tudo acabe
Por baixo do pano, sangue estanca
A inocência, vida te arranca
Hoje tu colhe aquilo que planta
A vida é feita de fases
Ruas estreitas são peças do tabuleiro
Foda-se, se vira, vai buscar o meu dinheiro
Com uma na agulha faço o tiro ser certeiro
Tenho contexto do frente é o fogueteiro
Não quero guerra, quero mãe, uso ego de medicina
[?] falta chance, igual paz na Palestina
Pra quem cruzar o caminho, vou causar o terremoto
Com uma dou rajada com a outra eu piloto

Hey, andei nas ruas escuras
Tive na mira daquela viatura (hey)
Vejo meu nome naquelas alturas
Sempre na fé, não perco a postura (não perco a postura)
Trajei, minha armadura
Sabe que a [?] futura
Nunca confio na alma mais pura
Ódio e amor, na mesma mistura (ódio e amor, na mesma mistura)
Não, não, não, não, baby sabe eu vim do nada
Não, não, não, não, minha escolha foi vencer
Não, não, não, não, sempre por essas calçadas
Não, até o dia amanhecer

E amanheceu, em cada palavra que sobra
Mas, acorda se enrola tiro na sombra
Arrisca a garganta e canta
E traz a bonança de quando criança
Quem dera tivesse a chance
Solo do inferno, montei meu clã
Sigo sempre sendo um bom vivant
O céu é nosso teto toda manhã
Quem dera tivesse a chance
Ó meu amor, nem sempre se encontra outra chance
A vida que cobra, a vida que paga pra quem desenrola e amana
Din’, cash, boldo, rap
Consistência de inercia
Omissão não impede de ver
Eu corro e corro e tô trampando tanto
Suor no peito, tô levantando tanto dinheiro
Mas pra quê tanto
Tô à milhão, mas louco, louco, tramando o meu plano
Pra chegar ao fim do ano, é
Sessão do pranto
Família por perto
Meus olhos dos céus brilhando
Na rua em qualquer canto eu vou
Na rua ouvi meu canto, hey

Hey, andei nas ruas escuras
Tive na mira daquela viatura (hey)
Vejo meu nome naquelas alturas
Sempre na fé, não perco a postura (não perco a postura)
Trajei, minha armadura
Sabe que a [?] futura
Nunca confio na alma mais pura
Ódio e amor, na mesma mistura (ódio e amor, na mesma mistura)
Não, não, não, não, baby sabe eu vim do nada
Não, não, não, não, minha escolha foi vencer
Não, não, não, não, sempre por essas calçadas
Não, até o dia amanhecer

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *